Filtro de Mentes

Mês: fevereiro, 2013

Só mais uma dança.

Corpos rodopiando de dois em dois tomando conta de todo espaço vazio do salão. Cada casal com seu jeito de dançar, de se divertir. De um lado, os mais sérios, sem risos, com concentração. Perto destes, os discretos, dançando mais ao fundo com um sorriso no rosto, mas sem emitir nenhum som. No centro, um casal risonho girando no ritmo da música que já estava em sua ultima nota. A mudança da música para uma mais lenta atraiu os corpos de cada casal que lá estavam. Alguns levantaram com seu par, mas nenhum saiu da pista de dança. E não é engano, nem os discretos conseguiram despistar.

O casal risonho sussurrava palavras no ouvido um do outro. O casal sério dançava com as bochechas encostadas, com passos perfeitamente ritmados e contidos. O casal discreto era apaixonado e, com passos parecidos com os do casal sério, o homem guiava a mulher que, por sua vez, descansava sua cabeça no ombro do parceiro. Era lindo de se ver o amor que por ali passeava feliz. Cada um com seu jeito de dançar e de amar, mas todos amando. Dava para ver isto nos olhos de cada um.

Fiquei observando os casais até acabar a música, ou melhor, até ouvir a porta principal abrir novamente depois de algumas horas. Atentei-me para saber quem era o convidado atrasado e suspirei surpresa ao ver que eu conhecia o sujeito. E como conhecia. Ele procurou por alguém ou algo na multidão e, felizmente, quando achou andou em minha direção, sério, discreto e sorridente. Eu olhei para os lados e para trás, só para não criar ilusões e não havia ninguém por quem ele gastasse seus passos. Ou melhor, não havia ninguém perto de mim. Faltando alguns passos para que ele chegasse perto de mim, uma fala dele da ultima vez que nos encontramos passou por minha cabeça: “Eu não sou o homem com quem sonharia para você, querida, mas quem disse que eu, sentindo o que sinto por você, deixaria que casasse com quem merece? Eu sou o homem que pode fazer parte dos seus sonhos e o que pode estar a sua altura, só é você querer.” Neste momento ele estendeu a mão para mim e disse, junto ao meu pensamento: “Que tal mais uma dança? Eu posso rodopiar como o príncipe da sua princesa preferida e fazer que você se sinta como ela. É só mais uma dança, mas, se você quiser, pode ser uma de muitas que vamos ter”

– Capistrano.

Cheiro de pele.

Cheiro de pele

Tabu inocente

Implantado quando crente

que ser descrente

preenche um vazio

Vazio que só

se completa com o pó

branco de um deus

humano

Uma órbita alva

no umbigo

Funga, desalva,

sorri e cai

– sem rimar

numa poesia falsa

de desenhos e fadas

e monstros em jardins

de jasmin

Cheiro de pele branco-algodão

nas narinas milimetricamente

cortadas de areia.

Vício.

Meu amor por vo…

Meu amor por você é um axioma…

– Capistrano

Me leva, mar.

Um mar de saudade

dentro de mim.

A sereia que levou

Meu grande bem

amor e, fez…

– Respira fundo e concentra –

fez de mim um ser sozinho

E agora sem amor nem

o que portar

ando sem destino,

crendo em tudo

até nas histórias mais absurdas

pra sereia me levar.

Me leva…

– Capistrano

Um pedido ao menos romântico literário dos amantes

Me deixa, então,

já que não posso te amar com palavras,

me afogar nesses seus cabelos dissimulados,

pois meu barco é de letras,

meu bote de palavras,

meu corpo de amor,

e meu amor…

ah, meu amor é à prova de água…

– Capistrano

Depois da ressaca emocional.

Sabe quando o mar está tão agitado que se torna mais que perigoso adentrá-lo? Se sim, balance sua cabeça para cima e para baixo, então eu continuarei a dizer o quão corajoso você é por ter entrado num mar assim.
Meu coração era mais que um simples oceano em maremoto, era um mar de lava que borbulhava verozmente jogando tudo e todos que ousassem se aproximar para fora. Mas você, grande trovador, com suas rimas e exaltações, conseguiu domá-lo. Eu estou tão calma e abençoada que estou flutuando, fora de cadeia.

─── Capistrano.