Uma pausa pro café: monólogo pra ninguém.

por tcapistrano

Não um bate papo em si, mas um monólogo gostoso e necessário de se fazer:
Leio suas palavras com um nó frouxo na garganta que vai se apertando até o ponto final.
Me questiono sobre o que exatamente se refere. Me questiono o que você está vivendo nesse exato momento.
Não consigo (ou não quero) aceitar que possa ser sozinho sem mim. Que possa gostar de ser sozinho sem mim.
Eu queria ser sozinha contigo. Estava feliz com essa ideia… era meu ponto gravitacional, todo peso dos meus atos se dirigia a isso.

Sabe, eu não sou um bicho. Não um com apenas uma cabeça. Sou complexa, então insira quantas cabeças julgar necessária em minha imagem. Preciso de solidão também… mas daquela pequena solidão, de compartilhar as coisas com uma pessoa só, de viver seu mundo, de viver no seu quarto escuro com cor de madeira.

Sinto saudades.

Estou ocupando minha mente para não pensar nisso. Porque se eu pensar… vou desabar.
Me imagine caindo nas lembranças e nas palavras ditas e escritas, e nas músicas, e nas luzes que vimos, nos filmes aos quais assistimos, nos toques que nos demos, nas sensações. Muita coisa, muitos anos.

Não sei se conseguirei me curar.

Fim do café.

– Capistrano

Anúncios